FORCOM

O Fórum Nacional de Rádios Comunitárias, abreviadamente designado FORCOM, é uma organização constituída em rede. Surgiu em 2004 com o objectivo de melhorar a coordenação e o trabalho realizado pelas rádios comunitárias. O FORCOM congrega actualmente 45 Rádios Comunitárias em todo o Pais. Ver mais...

Visão

Rádios Comunitárias unidas, fortalecidas e sustentáveis que expandem o direito do povo à informação através de um processo baseado na participação da comunidade com vista ao seu desenvolvimento.

Missão

Representar e defender os interesses das Rádios Comunitárias na base de uma coordenação efectiva das necessidades e intervenções de todos os membros filiados no FÓRUM, sem discriminação geográfica, étnica, religiosa, política, cultural e de género.

Boletim do FORCOM


 


Princípios

  • Respeito pelos Direitos Humanos
  • Reconhecimento do potencial dos actores como pressuposto para o seu desenvolvimento
  • Valorização da cultura moçambicana
  • Não discriminação e criação de espaços e oportunidades para os «sem voz»
  • Promoção dos Direitos das mulheres, crianças e outros grupos mais desfavorecidos
  • Comprometimento com a verdade
  • Promoção da Unidade
  • Promoção da Democracia

Valores

  • Liberdade
  • Culto da Individualidade
  • Dignidade humana
  • Colectivismo
  • Respeito às Diferenças;
  • Cultura da Solidariedade
  • Cultura da Imparcialidade
  • Cultura de Autocrítica e a crítica

Principais áreas estratégicas

  • Desenvolvimento Institucional
  • Coordenação, Monitoria e Avaliação
  • Mobilização de Recursos
  • Comunicação, Lobby e Advocacia
  • Assuntos Transversais
  • Finanças
  • Educação Cívica
  • Assessoria jurídica

Notícias

GRAÇA MACHEL PREOCUPADA COM A INCLUSÃO FINANCEIRA DOS MOÇAMBICANOS EM PARTICULAR DA MULHER.

Sex
13
Mai
2016

FDC em parceria com o BCI e New Faces New Voices realizaram recentemente o 1º Fórum Internacional da Mulher Empreendedora com o objectivo de discutir os problemas que tornam as mulheres empreendedoras excluídas do sistema bancário em Moçambique, afím de se desenhar melhores estratégias para a inclusão financeira das mesmas.

Durante a conferência, a Presidente da Fundação para Desenvolvimento da Comunidade, Graça Machel, mostrou-se indignada com a exclusão dos moçambicanos do sistema bancário no país e apelou a todos os bancos a deixarem de priorizar apenas a minoria elitista mas a olhar também para todos os moçambicanos em particular as mulheres.

 "A maioria dos moçambicanos gerem e fazem circular dinheiro entre sí, mas os bancos não olham para isso como uma oportunidade de gerar e gerir recursos para fazer a economia moçambicana andar isso porque priorizam as elites, e por essa razão, nós em Moçambique, temos dois tipos de economias que funcionam em paralelo: a economia formal e a informal e Leia mais...

RAPARIGA DE 16 ANOS ARREPENDIDA POR TER ENGRAVIDADO CEDO

Qui
14
Abr
2016

Uma menina de 16 anos de idade revelou recentemente à Rádio Comunitária de Chicualacula o seu arrependimento pelo facto de ter iniciado a sua vida sexual cedo, uma vez que culminou com uma gravidez indesejada rejeitada pelo seu parceiro.

O arrependimento foi manifestado no programa Radiofónico contra os Casamentos Prematuros, onde Alegria Pedro Benzane conta como tudo aconteceu, começando por dizer que estava com 14 anos de idade e Leia mais...

Financiado Por:

1636 Visitantes